Publicidade Concer: Sustentabilidade e economia
Publicidade Concer: Sustentabilidade e economia
CidadeHistória

[Fotografias] Antes e Depois de algumas ruas de Petrópolis – parte II

Atendendo a pedidos, após a publicação do “Antes e Depois de algumas ruas de Petrópolis”, selecionamos mais algumas fotos antigas da cidade para vocês e fizemos a parte II.

As fotos antigas são do acervo digital do Museu Imperial/Ibram e as fotos atuais são do Google Street View. Confira:

Início da rua Marechal Deodoro, vendo-se o antigo prédio que abrigava a delegacia e o Fórum em primeiro plano e ao lado o prédio da Padaria das Famílias. A padaria funcionou ali por volta dos anos de 1853 e 1978; o prédio foi demolido, e, no local foi construído o Edifício João Paulo I.
Av. Marechal Deodoro hoje em dia
1890 – arte da avenida Quinze de Novembro, atual rua do Imperador, onde se vê o prédio do Colégio Santa Isabel, na época em que funcionava junto com o Asilo Santa Isabel. Vê-se, ao lado, o prédio que foi demolido para a construção do edifício Arabella.
Edifício Arabella à esquerda e fachada do Colégio Santa Isabel, à direita hoje em dia
Primeira metade do século XX – trecho da praça Dom Pedro, ainda sem a estátua do imperador. Veem-se árvores, bancos e postes de iluminação.
Praça Dom Pedro hoje em dia
Açude da Imperial Fábrica São Pedro de Alcântara no quarteirão Renânia Inferior. Vê-se a ponte que liga a rua Rocha à rua Washington Luiz, inaugurada por volta de 1930.
Rua Washington Luiz hoje em dia. À direita, fica a UPA Centro
1928 – trecho da rua Cruzeiro, atual rua Doutor Nelson Sá Earp, ainda com magnólias margeando todo o seu percurso. Vê-se o encontro da avenida Quinze de Novembro, atual rua do Imperador, com a rua Cruzeiro, atual Dr. Nelson Sá Earp, juntamente com a ponte de alvenaria que substituiu a de madeira.
Rua do Imperador e Rua Dr. Nelson de Sá Earp hoje em dia

 

 

 

 

4 Comentários

  1. Como era tão mais linda, limpa e charmosa.
    Gostaria de ter vivido lá naquela época, mas ainda sou bem feliz por ser petropolitana.
    Amo minha cidade, apesar de todos os problemas de infraestrutura.

  2. Amo minha cidade, porem era muito mais linda antigamente. Queria ter vivido naqueles dias.

Botão Voltar ao topo
error: Favor não reproduzir o conteúdo do AeP sem autorização ([email protected]).